Mudança

São tantas nos dias atuais que até essa palavra já precisaria de uma repaginada para corresponder ao ritmo das transformações frenéticas que acontecem a todo instante.

Algumas se tornam tão profundas e significativas que constituem um novo paradigma. É o caso da comunicação e comportamentos a partir dos avanços tecnológicos. Outras, mesmo que superficiais, fazem “volume”, aumentando a sensação de turbilhão e velocidade. O que acontece, que nem sempre se consegue traduzir as mudanças em oportunidades?

Por que, às vezes, em lugar de novos negócios, o que ocorre é perda de clientes, turn over da equipe, queda da margem de lucros, uma sobrevivência a duras penas, na qual a rentabilidade parece escorrer pelos dedos? 

Pode-se dar as conhecidas desculpas e justificativas

A instabilidade política, os mandos e desmandos do governo, as altas taxas de juros, a burocracia do país.

Outras parecem mais modernas, como o imediatismo da Geração Y e o isolamento da Z, o “presenteísmo” (estar de corpo presente, mas com mente e coração em outros lugares), as distrações provocadas pelo excesso de informações e interações em redes sociais, difíceis de restringir.  

No entanto, mesmo o que tem roupagem atual não é tão novo assim e, ainda que fosse, o trem-bala das transformações continua correndo em alta velocidade nos trilhos, e não vai parar.

Ou se pode desistir, ou procurar a maneira de ainda entrar nele. A verdade é que alguns estão nadando de braçada nos novos tempos.

A Natura, por exemplo, teve alta de 23% no lucro líquido no quarto trimestre de 2017, comparado com o mesmo período do ano anterior e espera alta de 75% no faturamento até 2022. 

O Uber, com seu negócio tão atual de carros compartilhados, atingiu 13 milhões de usuários no país e 900% de aumento de motoristas cadastrados em um ano. 

A forma como os consumidores interagem com as marcas hoje em dia é também algo bem diferente.  Eles valorizam não somente a qualidade do produto e serviço, mas inovação, facilidade tecnológica, interação, responsabilidade social, sustentabilidade, diversidade. A missão, o propósito e os valores das empresas são considerados e geram engajamento espontâneo.

 O Uber não é apenas barato, mas possibilita o acesso de muitas pessoas ao transporte e a uma nova forma de trabalho. A Natura construiu atributos de cuidado com o ambiente e valorização da beleza natural das mulheres.  

Para entrar no trem que corre veloz é preciso largar o peso para trás. O que pesa é o velho. Algumas práticas estão com os dias contados, apesar de ainda se ver muito por aí. Alguns exemplos delas: 

Falta de foco no cliente

Pensar apenas nos interesses da empresa – em aumentar os lucros, desovar estoque, controlar equipe – faz com que se deixe para segundo plano exatamente quem traz os resultados, o cliente.

Diferente disso é estar atento às necessidades dos consumidores, compreender quem são eles e criar soluções capazes de facilitar sua vida e encantar.

Não apenas isso, mas preparar a sua experiência com a marca.

É não considerar a compra como uma transação comercial apenas, mas algo que envolve emoção, conquista, engajamento, em que o humano passa a ter lugar central. 

Centralização excessiva

Fruto de quem ainda pensa que “o porco só engorda sob os olhos do dono”.

Quer controlar tudo, ter a empresa nas mãos o tempo inteiro e tem dificuldade de confiar na equipe, prepará-la e delegar.

O que acontece é que, se você age assim, isso se torna cultura, e as pessoas que trabalham com você acabam fazendo o mesmo.

Os recrutadores, por exemplo, estão sempre com a agenda abarrotada, porque tudo tem que estar com eles, desde os processos mais básicos, que podiam ser facilitados pela tecnologia.

Esse comportamento não desenvolve autonomia e criatividade na equipe, que se mantém ainda no regime de ter que “pedir bênção”. Funcionários assim não respondem mesmo ao que o cliente precisa. Afinal, entre as ordens do dono e a necessidade do cliente, a quem irão atender? 

Desperdício de recursos

As empresas costumam preocupar-se com o índice de refugo e de desperdício de matéria-prima.

No entanto, muitas vezes não se dão conta de outros desperdícios mais graves que acontecem no dia a dia, como de tempo, com os níveis de retrabalho, que tanto mais ocorrem quanto mais as pessoas trabalham sem sentido e significado para o que fazem.

E isso muitas vezes vem de serem subaproveitadas, com desafios menores que sua capacidade, assim desperdiçada.

Quando uma equipe de recrutamento e seleção passa o tempo todo analisando currículos padronizados, atendendo ligações e respondendo chamadas para explicar informações básicas sobre vagas temporárias, fazendo treinamentos corridos por não ter mais tempo de se dedicar a algo mais aprimorado, está aquém de suas possibilidades (mesmo podendo estar até além de seu nível de cansaço).

A tecnologia mais uma vez poderia ser uma aliada aqui para mudar processos. E se todo este trabalho no nível inicial e até burocrático pudesse ser automatizado, deixando as pessoas disponíveis para melhores entrevistas de seleção e um treinamento mais a fundo, que de fato desenvolva os colaboradores para lidar bem melhor com o cliente? 

Izy Job: para fazer uma mudança de sucesso 

O início de uma mudança verdadeira e profunda nasce de estar disposto a mudar.

Inspirar-se nos novos tempos para repensar as velhas práticas e assumir a decisão pela transformação, que sempre começa internamente, numa nova maneira de enxergar o negócio, a equipe e os clientes e de compreender a dinâmica do resultado e o que de fato o gera.

As pessoas sempre seguirão o líder. Onde estiver a sua mentalidade estará o caminho para onde você vai apontar, e este é o caminho que os colaboradores seguirão. Muito mais pelos exemplos do que pelas palavras. Onde a sua empresa é capaz de chegar? Até onde você seja capaz de ir. 

O trem-bala continua correndo, cada vez mais veloz. Que pesos você precisa deixar para trás para conseguir entrar nele e não perder essa viagem? Em que ações novas do dia a dia da empresa a decisão pela transformação se traduz?  

O passo de hoje já está em suas mãos. Fácil e eficaz! Chama-se Izy Job.

Trata-se de uma plataforma fácil, intuitiva, que permite manter uma comunicação adequada entre quem precisa contratar e quem quer ser contratado, em diversas áreas, voltado somente para o setor de Live Marketing – ações no ponto de venda, ativações, degustações, merchandising, feiras, eventos etc.

Ela permite a você organizar suas ações de maneira prática, eficiente e o melhor: com possibilidade de conectá-lo aos melhores profissionais do mercado. 

Izy Job é um APP para IOS e Android para os candidatos se cadastrarem e receberem suas oportunidades. E você, agência ou empresa, poderá, pelo ambiente web, encontrar os candidatos para trabalhar em ações relacionadas ao Live Marketing

Izy Job permite que você tenha acesso ao melhor casting dos mercado – atualizado com fotos e informações detalhadas –, gera cartas de apresentações para as lojas do varejo, contratos de trabalho, possibilidade de interface com a folha de pagamentos e tudo isso automaticamente.  

Divulgue seus jobs, anuncie suas vagas, coloque quantas informações e detalhes julgar importantes, acompanhe as candidaturas, além de poder cadastrar agências coligadas e clientes para acompanhar toda a seleção e realizar pré-aprovações.  

Utilizando o Izy Job, você poderá contratar profissionais de todas as áreas necessárias, na região em que for realizar a ação, desburocratizando processos, para que você tenha tempo para o que realmente importa. Acesse o portal www.izyjob.com.br. É fácil! É Izy Job!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui